L'INCS #2 - 1. EDITORIAL










Extra, extra!!!  Quer dizer; acidental, inesperado., suplementar.

O segundo Boletim L’incs # 2, traz na rubrica o que há de novo, o fenômeno Jaloo. Jaloo o múltiplo, parece uma ilustração atual das imbricações postas em imagens de diversos modos de gozo. Ele é composição de homem e mulher, índio e cidadão urbano, místico e consumista, mostra a permeabilidade do corpo e do inconsciente ao Outro contemporâneo.

Nos textos de orientação vamos ler agora reduzidos, os trabalhos de orientação de nossa XXI Jornada, apresentados no segundo encontro preparatório por Maria José Gontijo Salum e Elisa Alvarenga. Notaremos ali o vigor das elaborações e o acento dado a alguns fatos de estrutura que orientam a base de nossa investigação sobre a sexualidade hoje:

1)  Não há relação sexual mas há gozo

2)  A relação entre significante e gozo é primitiva e original, é daí que advém o gozo discursivo.

3)  Constata-se que o gozo sexual não pode ser escrito, e é disso que resulta a multiplicidade estrutural.

4)   A letra é o significante de que não há Outro S(A).

Mas e o que não se escreve? Quem desta vez vai dizer ou tentar escrever algo sobre isso? Cristina Drummond responderá a três perguntas formuladas por nós.

Ela inicia suas respostas com uma tese  que dá o que pensar sobre o que há de novo na sexualidade em sua articulação com o inconsciente, “o que penso que há de novo são as formas de sexualidade desarticuladas do inconsciente”. Deixo vocês com este gostinho novo, vale a pena ler o restante.

Na rubrica conexões, veremos que aconteceu na PUC-MG, um comentário de Cristiana Cardoso Pittella,  de uma vinheta clínica sobre uma menina que queria ser “o príncipe da mãe”. Seus embaraços com a castração e seus arranjos para lidar com o feminino cujo significante falta, acabam por encontrar uma resposta em “ser uma menina do jeito dela”... “tomar um caminho sozinha”.

Outra conexão. Quem viu Elle, o filme de Paul Verhoeven, no segundo encontro de Cinema e Psicanálise? Nossa colega Lisley Braum Toniolo, faz a resenha para nós. Recorto: Um gato assiste em silêncio uma cena brutal. No filme imoral, misto de real life e videogame,  estamos diante de um hibrido homem/monstro.

Vejam ou revejam o filme através dos olhos dessa colega, que lê neste filme magistral “como o encontro com os corpos é sempre um choque.



Sérgio de Mattos



http://jornadaebpmg.blogspot.com.br/2017/05/lincs-2-2-o-que-ha-de-novo.html

Jornada EBP-MG